quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

[...]

E o verão protegeu o inverno...

Era inverno em Nova York. O chão estava coberto pelo branco da neve. Leslie, sentada na escada da entrada de sua casa, observava com olhos melancólicos, as pessoas dos arredores a tirar a neve de suas casas.
Inverno. Gelo... Aquela frieza a recordava seu pai. Ele também tirava a neve da casa. Eles faziam bonecos de neve também. Mas o perdeu quando tinha dez anos.

Na mesma estação do ano em que iniciaram suas histórias de pai e filha, Leslie iniciou em sua alma um sentimento do quão triste é a morte de um pai. Quando ele partiu, era inverno também.
Aquele frio, aquela neve... Aquecia seu coração lembrar-se dos melhores momentos com aquele homem a quem ela falava “você é o melhor pai do mundo”, dando-lhe um beijo no rosto, seguido de um forte e longo abraço.
Mas o vento frio batia em seu rosto, e tirava-lhe todo o calor do coração. Ela esperava seu pai para tomar chocolate quente, naquele mesmo degrau da escada, sentindo o mesmo vento frio bater em seu rosto quando soube que seu pai fora brutalmente assassinado.
E essas ondas de sentimentos bons e ruins iam e voltavam através de suas lembranças passadas.
Evelyn, sua mãe, também tinha seus playbacks. Sabia o quanto sofria sua filha, pois sofria o mesmo também.
Pela janela da sala de star pode avistar Leslie cabisbaixa na escada da entrada. Saiu no mesmo instante para saber o que acontecia nos pensamentos da filha.
Era o pai, Evelyn sabia que era o pai. Chegou atrás da menina, sem que ela percebesse, dizendo:
- Eu sei que você sente falta dele. Eu também estou sentindo. Mas você se lembra que ele ficava mal toda vez que te via tristonha?
Leslie virou o corpo para o lado e a cabeça para trás, sem se levantar, fazendo sim com a cabeça.
- Pois eu acho que ele deve estar super mal por você estar assim agora. Ele não está aqui, mas onde ele está ainda sim pode te ver, sentir o que você sente; ficar feliz, ficar triste.
Leslie, abaixou os olhos e os levantou, olhando para sua mãe:
- Você tem razão. Papai deve estar mal por mim, então. Eu vou tirar a neve daqui da frente. Ele amava quando eu fazia isso. Ria sem parar só porque eu fazia tudo errado.
Se ele está triste, vou me atrapalhar na hora de tirar a neve, e ele vai ficar feliz de novo.
Evelyn sorriu. Abriu os braços, dizendo:
- Vem cá, vem!
Leslie se levantou, e abraçou a mãe. E o verão protegeu o inverno.
Aquele abraço caloroso de mãe, a deixou plena de vida novamente. E naquele momento, onde quer que estivesse, seu pai estaria sorrindo, e feliz. Elas estavam cheias de esperanças, afundadas na lembrança boa; e sorriam. E mais uma vez Leslie teve certeza: Dizer que seu pai era um herói era um insulto pelo modo como ele era. Ele era muito mais que isso. Ele era e sempre seria o melhor pai do mundo.

-------------------------
Letícia R.

6 comentários:

  1. quase só dá bloínquês aqui *-----------*
    parabéns novamente. :))
    enfim, bom feriado, juizo, moderação *-* beijos. se cuida.

    ResponderExcluir
  2. Menina, venho aqi te parabéniza qe seu blog é maravilhoso, principalmentes os textos. Adorei em ler cada um deles.

    Parabééns!

    Até+

    ResponderExcluir
  3. vc já está no concurso, poderia participar das categorias texto e fotografia, acho que vc tem potencial ^^

    ResponderExcluir
  4. Le, pode ser narrado na 1° pessoa sim !

    ResponderExcluir